Lucília Raimundo



Lucília Raimundo

É intérprete/criadora, formou-se em Teatro- Actores/ Encenadores, na Escola Superior de Teatro e Cinema. Em Coimbra, frequentou o Curso de Línguas e Literaturas Modernas – Estudos Portugueses e teve formação no CITAC (Círculo de Iniciação Teatral da Academia de Coimbra), trabalhando com profissionais de diversas áreas das artes do espectáculo (João Mota, João Grosso, Ludger Lamers, Nuno Pino Custódio, entre outros).

Tem diversificado a sua actividade profissional enquanto intérprete (teatro e dança/movimento) em encenação, assistência de encenação, em direcção de movimento e dando formação em expressão corporal e dramática. Trabalhou, entre outros, sob a direcção e em co-criação com Madalena Victorino, Rogério de Carvalho (Os Negros, de Genet), João Miguel Rodrigues, João Brites, Ana Luísa Guimarães (Dúvida, de Jonh Patrick Shanley, onde teve o privilégio de contracenar com Eunice Munõz), Alberto Grilli, Marie-Christine Wavreille, António Simão, Stephan Jürgens, Elisabete Reia, Inês Barahona.
A actividade enquanto formadora tem vindo a assumir uma forte presença, no seu percurso profissional, tendo desenvolvido projectos com crianças, adolescentes, adultos e idosos, não apenas no contexto de oficinas, mas também no trabalho de intérprete e de direcção de movimento, em projectos enraizados no trabalho com a comunidade com Madalena Victorino(Lembranças, Vale, Todos- Caminhada de Culturas), Teatro de Inverno (Flash-black, Casas), Comédias do Minho e Dança para Pelés (aulas individuais e colectivas de desinibição através da dança e descoberta do corpo). No decurso destes trabalhos apresentou-se no Teatro Nacional D. Maria II, Teatro Nacional S. João, Centro Cultural de Belém, Teatro Trindade, Teatro Maria Matos, Teatro Taborda, Teatro Viriato, Fundação Serralves, entre outros.
Lucília Raimundo tem, igualmente, desenvolvido actividade dramatúrgica, Seiva- A Sobrevivência dos Cactos é um texto da sua autoria, apresentado ao público em leitura encenada pela própria, no âmbito do Ciclo Dramaturgia Viva, do Teatro Nacional D. Maria II.

Sem comentários:

Enviar um comentário